NOSSA HISTÓRIA

As sendas da criação? Lá vamos nós. Quais poderiam ser tais sendas, senão aquelas que nossa pluma começa a abrir, a franquear? As de nossa “escritura”. E elas serão evidentemente aquelas que poderá seguir, tomar – antigamente dizia-se isto de uma melhor forma _ aquelas que sua “leitura” poderá “manter”.
Mas escrever, para quê? Para produzir um traço para “materializar” meu percurso…
(Francis Plonge)

Começamos assim a contar nossa história, nossa escritura que pretende materializar um percurso.
Nossa ideia é irmos construindo, com a colaboração dos velhos colegas, com suas memórias e registros materiais, e com os novos colegas que chegam e que contituarão chegando ao grupo, um registro de nossa história.

Iniciaremos com aquilo que poderíamos chamar história pregressa, indo, pouco-a-pouco em direção ao presente, deixando aberto o mecanismo para os registros que irão construindo o nosso futuro.

Começo com um registro daqueles que foram os pioneiros do Núcleo de Psicanálise de Campinas e Região: Ismael Gripp, Sérgio Radomile, Ângelo Satalino, Rubem Alves e Hélio Amâncio.

Segue o trecho de uma entrevista com o Dr. Ismael Gripp em junho de 2005, que localiza o momento da criação do grupo que viria a ser o Núcleo de Psicanálise de Campinas e Região:

Ismael Gripp: deixe-me contar como é que tudo começou realmente: nós viajávamos juntos (para São Paulo), eu, o Hélio Amâncio, o Ângelo Satalino e o Sérgio Radomile. Um dia o Sérgio sugeriu: porque nós não formamos um grupo para estudarmos alguma coisa, vamos estudar mitologia, psicanálise ou quem sabe alguma outra coisa”. Surgiu essa conversa no carro vindo de São Paulo e como eu era muito amigo do Rubem Alves – sou conhecido do Rubem desde o meu tempo de estudante no Rio de Janeiro – e aí falei: “Olha, eu me dou muito bem com o Rubem Alves, vou convidá-lo e ver se ele não que fazer alguns encontros para estudarmos filosofia”. Eu conheci o Rubem de calças curtas na Rua da Passagem, no Rio de Janeiro, sempre brincando na Rua da Passagem. Então, eu propus ao Rubem, ele aceitou e começamos a ter encontros com ele mais ou menos uma vez por mês. (Fonte: Boletim do Núcleo de Psicanálise de Campinas e Região, Setembro de 2005)

Estamos aqui no final dos anos 70.

Vasculhando os arquivos dos documentos iniciais do grupo, encontramos, nos fundos empoeirados de um armário, em caixas, registros documentais e fotos que vão nos remetendo a uma história que algum de nós preocupou-se em tornar escritura, materializando nosso percurso. O texto começa com um instigante título: “Sobre o Grupo de Psicanálise de Campinas: uma pequena introdução histórica”. Não há data, apenas um pequeno documento que, imagino, o situa no ano de 1989.

LOCALIZAÇÃO

 

Grupo de Estudos Psicanalíticos

de Campinas

Av. Francisco José de Camargo Andrade, 630

Jardim Chapadão - Campinas SP

☎️ (19) 9 8264.2558